terça-feira, 18 de novembro de 2008

Uma Parceria Maravilhosa

Mais uma grande parceria de Débora que se repetiu na sua carreira:
A parceria com Antônio Fagundes!


NA DÉCADA DE 80, Débora e Fagundes protagonizaram a novela "Corpo a Corpo", de Gilberto Braga, com direção de Denis Carvalho e Jayme Monjardim, produzida pela Rede Globo e exibida no horário das 20 horas, de 26 de Novembro de 1984 a 21 de Junho de 1985.


Casados, e ambos engenheiros, Eloá (Débora) e Osmar (Fagundes), apesar de apaixonados um pelo outro, desencontram-se por causa da ambição profissional de Eloá e sua efetiva ascensão, para a qual, aliás, ela não mede meios.
Neste sentido, Eloá chega mesmo a fazer o célebre pacto com o suposto Diabo interpretado por Flávio Galvão - pacto esse que rendeu à trama alguns dos momentos antológicos da história da teledramaturgia brasileira.

A crise no casamento de Eloá e Osmar agrava-se quando Tereza, personagem de Glória Menezes, reaparece nas suas vidas para se vingar do homem que amara no passado e que a trocara por outra, Eloá.

No final, porém, Eloá e Osmar, rendem-se ao seu grande amor, superando todas as dificuldades e divergências que os desuniram ao longo da história, reconciliando-se numa cena linda e emocionante, magistralmente vivida por Débora e Fagundes!




QUINZE ANOS DEPOIS!...
Débora e Fagundes voltam a estrelar uma novela das 20 horas da Rede Globo, "Terra Nostra", de Benedito Ruy Barbosa, com direção de Jayme Monjardim e Carlos Magalhães, exibida entre 20 de Setembro de 1999 e 3 de Junho de 2000.


Maria do Socorro
(Débora) e Gumercindo (Fagundes) são casados, pais de Angélica (Paloma Duarte) e Rosana (Carolina Kasting), e vivem na Fazenda Esperança, no Estado de São Paulo. No início da trama, Maria do Socorro vive atormentada pela traição do marido com a ex-escrava Naná (Adriana Lessa).
Movido pelo desejo de ter um "filho homem", e uma vez que a sua esposa só lhe dera filhas, Gumercindo aliciara Naná, ainda no tempo da escravatura. Na noite da libertação dos escravos, ao som dos batuques e da euforia, Naná, já grávida de Gumercindo, promete a Maria do Socorro, em tom de provocação, enviar-lhe a criança caso nasça mesmo um menino. A cena é muito forte e Maria do Socorro revela, aí, a profundidade da ferida causada pela traição do marido que ela tanto ama.

Passam-se anos, mas Maria do Socorro não esquece a traição, fechando-se para o marido, apesar do seu amor. Gumercindo, por sua vez, torna-se cada vez mais frio com ela. Até que um dia tudo muda... Na festa de despedida dos italianos Leonora (Lu Grimaldi) e Bartolo (Antônio Calloni), na fazenda, Maria do Socorro e Gumercindo dançam a tarantella! O momento é mágico. Gumercindo volta a encantar-se por Maria do Socorro e, subitamente, o amor renasce, mais forte, pleno e belo do que nunca. O resultado é uma terceira gravidez de Maria do Socorro, que acaba por ter o "filho homem" tão desejado por Gumercindo.

Daí ao fim da trama, são muitas as cenas inesquecíveis e deliciosas desta dupla romântica, com Gumercindo expressando o seu amor e Maria do Socorro espantando-se com ele: quando ele a leva para morar em São Paulo, quando ele teme pela morte dela após o difícil parto (magnífica cena de Débora!), quando Naná reaparece nas suas vidas com o filho de Gumercindo...


A evolução da personagem Maria do Socorro ao longo da trama é absolutamente fascinante e muito influenciada, claro, pelo amor de Gumercindo: da mulher amargurada e mesmo submissa do início da novela até à mulher forte, bela, segura, companheira e conselheira do final, na grandiosa interpretação de Débora!




Duas histórias de amor belíssimas, dois tremendos atores, em duas grandes novelas.
Uma parceria maravilhosa que seria bom voltar a ver na telinha!

Débora viveu, nestes dois trabalhos, duas personagens verdadeiramente marcantes na sua carreira, que lhe valeram, aliás, os Troféus da APCA (Associação Paulista dos Críticos de Arte) para Melhor Atriz nos anos de 1985 (com Eloá) e 2000 (com Maria do Socorro).




Débora na gala da entrega
do Troféu de Melhor Atriz
da APCA, em 2000.

3 comentários :

Bruna disse...

Olha Carol , o blog está cada vez melhor com matérias lindas!! a Débora merece essa homenagem e eu te parabenizo pela atitude, bjs.

Anônimo disse...

Carol nao tenho nem palavra pra fala como gostei desta materia,ta linda de mais.E como vc ja tinha efaldo a parceria entre a Debora e Fangundes deveria volta as telinas...
Bjos Priscila

Raíssa disse...

Eu não tenho nem palavras pra explicar a emoção que estou sentindo agora!Só mesmo Carolina pra fazer uma matéria tão LINDA assim.